terça-feira, 28 de agosto de 2012

The implications of China’s slowdown


Teenage angst

CHINA, an ancient civilisation, is still in its economic adolescence, a phase marked by growth spurts and mood swings. Other emerging economies endure this awkward period in relative obscurity, attracting only cursory attention. China has no such luck. It has become big before becoming rich, inviting scrutiny typically reserved for mature economies.
China may not be a member of the G7 group of big, rich democracies. But it is already a member of the so-called S5, or Systemic Five, a group of economies subject to extra IMF attention because of their “systemic” significance. China, according to the fund, is the most “central” trading power in the world, based on its extensive trade links to other economies that are themselves tightly interwoven. It is the biggest or second-biggest trading partner for 78 countries. Its appetite for imports, especially the base metals and oil that feed its vast industrial machine, flatters the exports of countries as far afield as Azerbaijan and Angola.
Trade is not the only measure of China’s economic influence. Many foreign companies have set up shop inside the country, profiting from its market without having to export to it. To obtain a broader measure of multinational exposure to the Middle Kingdom, The Economist has prepared a stockmarket index made up of 135 S&P 500 companies, weighted by China’s reported share of their revenues. (For companies that report revenues only for the Asia-Pacific region as a whole, we have assumed China’s share of regional revenues reflects its share of the region’s GDP.)

This new and improved “Sinodependency” index has massively outperformed the S&P 500 in recent years, climbing by almost 129% since the beginning of 2009, compared with the S&P 500’s gain of 57% (see chart 1). It has also performed far better than China’s own stockmarkets. Buying American firms exposed to China may be a better investment strategy than buying Chinese firms themselves. That is just as well, because foreign participation in China’s stockmarkets is still circumscribed.
China’s precocious economy has, however, turned sullen and morose of late. The preliminary results of HSBC’s August survey of over 420 manufacturing firms, many of them private, showed orders falling and inventories backing up. The ratio of orders to inventories was at its worst since December 2008. This disappointment followed the announcement that house prices rose in 49 out of 70 cities last month, a revival deemed bad news as it might delay further monetary easing.
A sharp slowdown in Chinese investment was one of the risks examined by the IMF in a report this month on the systemic five. Ashvin Ahuja and Malhar Nabar of the fund have calculated the impact on China’s trading partners of a one-percentage-point slowdown in Chinese capital formation. In the second chart, we have extrapolated their results. Our baseline is the IMF’s 2012 growth forecasts for each country (made back in April, a happier time). The chart shows the effect on growth of a soft landing, which we define as a two-percentage-point slowdown in China’s investment growth. It also depicts a harder landing, which we define as a 3.9-point slowdown, the same as it endured in 2008.

A hard landing would hobble South Korea and bring Taiwan’s growth to a shuddering halt. But growth in Brazil and Australia would hold up surprisingly well, perhaps because their currencies would fall, absorbing some of the shock. However, these estimates capture only the direct impact of a Chinese slowdown, as transmitted through its trade links. Messrs Ahuja and Nabar point out that stockmarkets around the world would also swoon. And some countries would be hit by indirect effects: Germany, for example, would suffer both a loss of exports to China and to countries that sell a lot to China. Adolescents have an uncanny ability to spoil things for everybody.

Dependence on China

The indispensable economy?

China may not matter quite as much as you think

THE town of Alpha in Queensland, Australia, has only 400 residents, including one part-time ambulance driver and a lone policeman, according to Mark Imber of Waratah Coal, an exploration firm. But over the next few years it should quintuple in size, thanks to an A$7.5 billion ($7.3 billion) investment by his company and the Metallurgical Corporation of China, a state-owned firm that serves China's mining and metals industry. This will build Australia's biggest coal mine, as well as a 490km (300-mile) railway to carry the black stuff to the coast, and thence to China's ravenous industrial maw.
It is hard to exaggerate the Chinese economy's far-reaching impact on the world, from small towns to big markets. It accounted for about 46% of global coal consumption in 2009, according to the World Coal Institute, an industry body, and consumes a similar share of the world's zinc and aluminium. In 2009 it got through twice as much crude steel as the European Union, America and Japan combined. It bought more cars than America last year and this year looks set to buy more mobile phones than the rest of the world put together, according to China First Capital, an investment bank.
In China growth of 9.6% (recorded in the year to the third quarter) represents a slowdown. China will account for almost a fifth of world growth this year, according to the IMF; at purchasing-power parity, it will account for just over a quarter.
The Economist has constructed a “Sinodependency index”, comprising 22 members of America's S&P 500 stockmarket index with a high proportion of revenues in China. The index is weighted by the firms' market capitalisation and the share of their revenues they get from China. It includes Intel and Qualcomm, both chipmakers; Yum! Brands, which owns KFC and other restaurant chains; Boeing, which makes aircraft; and Corning, a glassmaker. The index outperformed the broader S&P 500 by 10% in 2009, when China's economy outpaced America's by over 11 percentage points. But it reconverged in April, as the Chinese government grappled with a nascent housing bubble.
China is, in itself, a big and dynamic part of the world economy. For that reason alone it will make a sizeable contribution to world growth this year. The harder question is whether it can make a big contribution to the rest of the world's growth.
China is now the biggest export market for countries as far afield as Brazil (accounting for 12.5% of Brazilian exports in 2009), South Africa (10.3%), Japan (18.9%) and Australia (21.8%). But exports are only one component of GDP. In most economies of any size, domestic spending matters more. Thus exports to China are only 3.4% of GDP in Australia, 2.2% in Japan, 2% in South Africa and 1.2% in Brazil (see map).
Export earnings can, of course, have a ripple effect throughout an economy. In Alpha, the prospect of selling coal to China is stimulating investment in mines, railways and probably even policing. But these “multipliers” are rarely higher than 1.5 or 2, which is to say, they rarely do more than double the contribution to GDP. Moreover, just as expanding exports add to growth, burgeoning imports subtract from it. Most countries outside East Asia suffered a deteriorating trade balance with China from 2001 to 2008. By the simple arithmetic of growth, trade with China made a (small) negative contribution, not a positive one.
China plays a larger role in the economies of its immediate neighbours. Exports to China accounted for over 14% of Taiwan's GDP last year, and over 10% of South Korea's. But according to a number of studies, roughly half of East Asia's exports to China are components, such as semiconductors and hard drives, for goods that are ultimately exported elsewhere. In these industries, China is not so much an engine of demand as a transmission belt for demand originating elsewhere.
The share of parts and components in its imports is, however, falling. From almost 40% a decade ago, it fell to 27% in 2008, according to a recent paper by Soyoung Kim of Seoul National University, as well as Jong-Wha Lee and Cyn-Young Park of the Asian Development Bank. This reflects China's gradual “transformation from being the world's factory, toward increasingly being the world's consumer,” they write. Gabor Pula and Tuomas Peltonen of the European Central Bank calculate that the Philippine, South Korean and Taiwanese economies now depend more on Chinese demand than American.
Trade is not the only way that China's ups and downs can spill over to the rest of the world. Its purchases of foreign assets keep the cost of capital down and its appetite for raw materials keeps their price up, to the benefit of commodity producers wherever they sell their wares. Its success can boost confidence and productivity. One attempt to measure these broad spillovers is a paper by Vivek Arora and Athanasios Vamvakidis of the IMF. According to their estimates, if China's growth quickened by 1 percentage point for a year, it would boost the rest of the world's GDP by 0.4% (about $290 billion) after five years.
Since the crisis, China has shown that its economy can grow even when America's shrinks. It is not entirely dependent on the world's biggest economy. But that does not mean it can substitute for it. In April the Bank Credit Analyst, an independent research firm, asked what would happen if China suffered a “hard landing”. Its answer to this “apocalyptic” question was quite “benign”. As it pointed out, Japan at the start of the 1990s accounted for a bigger share of GDP than China does today. Its growth slowed from about 5% to 1% in the first half of the 1990s without any discernible effect on global trends. It is hard to exaggerate China's weight in the world economy. But not impossible.

Free exchange

Chains of gold

Modern supply chains are making it easier for economies to industrialise

GETTING rich used to be tough. For most of the past two centuries, few countries managed it. Lant Pritchett, an economist now at Harvard’s Kennedy School of Government, wrote in 1997 that “divergence, big time” between the rich and the rest was “the dominant feature of modern economic history.” But those stubborn gaps have begun to close. Industrialisation is suddenly everywhere. Since the mid-1980s, emerging markets have grown faster than advanced economies (see chart).
Liberal reforms and sound macroeconomic management surely helped. Yet recent research by Richard Baldwin of the Graduate Institute in Geneva suggests it is not so much the developing world that has changed as development itself. Today’s emerging markets face a different sort of globalisation than their predecessors 50 or 100 years ago.
Most advanced economies industrialised as part of what Mr Baldwin calls globalisation’s first great unbundling: the geographical separation of producers and consumers. Early in the industrial era, high transport costs restricted trade. Expensive shipping limited most manufacturers to sales within the same city or country. But as the industrial revolution progressed, steamships and railways slashed transport costs, exposing firms to foreign competition for the first time. The most productive firms were those best able to take advantage of economies of scale. A single large plant could produce goods at a lower unit cost than lots of smaller factories, and a cluster of large suppliers at lower cost still. Production clustered in massive cities in a few economies.
Catching the leaders meant building an entire supply chain from the ground up—and in the teeth of competition. Development was slow, laborious and rare. Japan and South Korea grew industries from modest beginnings. They entered global markets with inferior but cheap products, often supported by state aid, then slowly improved their technical competence. Painstaking accumulation of technological skill eventually enabled innovative multinational firms to emerge. Japanese and South Korean incomes converged with those in western Europe. Other emerging economies tried gamely to duplicate this success, to little avail. Aggressive industrial policies often strained government resources without delivering a critical mass in industry or the human capital needed for development.
A new model began to emerge in the 1980s. Lower transport costs were a catalyst. Yet more important, reckons Mr Baldwin, was a budding revolution in information and communication technology (ICT). Cheaper communications allowed firms to manage supply chains over ever greater distances. Companies discovered they could build plants in cheap locations, ship components there to be assembled and export the finished product around the world. While the first unbundling separated producing markets from consuming markets, the second broke up production entirely across long, multinational supply chains.
That made industrialisation a cakewalk compared with earlier times. A business-friendly government and cheap workers were often sufficient to get started; foreign firms provided technology and management. Emerging markets quickly signed on. Trade data analysed by Robert Johnson of Dartmouth College and Guillermo Noguera of Columbia University track the shift. Along multinational supply chains, they note, a single component may be exported several times, adding to tallies of gross trade but not to measures of value added. A fall in the ratio of the two measures (which they call the VAX) signifies an increase in supply-chain fragmentation. On this score, 1990 seems a critical point, after which the VAX sinks while trade volumes soar (see chart). Emerging-market growth surged at roughly that time.
Faster growth may be fickle growth, says Mr Baldwin. Whereas previous tigers built a deep technological capacity, many emerging markets now merely “borrow” technology from rich-world firms. Multinationals have an incentive to limit technology transfer, the better to preserve the bargaining power that comes with a credible threat to leave. Learning can still occur. China uses its size as leverage to extract concessions, often confining direct inward investment to joint ventures between foreign and domestic firms, for instance. Smaller markets lack that option. The limited spillovers from supply-chain industrialisation may leave them stuck in middle-income status. And there is always the risk that chains may shift again, leaving them high and dry.
Some worry that sprawling supply chains may allow ill winds from abroad to blow in more easily. But evidence suggests that supply-chain trade may have declined less and recovered faster than overall trade during the financial crisis. Japan’s 2011 earthquake echoed across the world but also demonstrated the system’s capacity for quick recovery. The more tenuous nature of supply-chain industrialisation may encourage governments to work harder to support trade and recovery in response to a crisis.
Ships and chips
The second unbundling has yet to banish distance. In a different paper, Messrs Johnson and Noguera find that supply-chain fragmentation has been greatest among neighbours. This has given rise to regional industrial clusters. Regional trade agreements are partly responsible, but time costs may be more important. ICT improvements have also made production more nimble, capable of just-in-time manufacturing and frequent design changes. Timely shipments of components are indispensable. Indeed, an analysis by David Hummels of Purdue University and Georg Schaur of the University of Tennessee estimates that a day in transit is equivalent to a tariff of between 0.6% and 2.3%, with the largest effects for parts and components trade. Industrialisation is now within easy reach of poor countries, provided they’re within easy reach of industrialisation.

Richard Baldwin, “Trade And Industrialisation After Globalisation's 2nd Unbundling: How Building And Joining A Supply Chain Are Different And Why It Matters”, NBER Working Paper No. 17716, December 2011
Robert C. Johnson, Guillermo Noguera, “Fragmentation and Trade in Value Added over Four Decades”, NBER Working Paper No. 18186, June 2012
Robert C. Johnson and Guillermo Noguera, “Proximity and Production Fragmentation”, American Economic Review, Vol. 102, No. 3, May 2012
David Hummels, Georg Schaur, “Time as a Trade Barrier”, NBER Working Paper No. 17758, January 2012

Brasil perde US$ 5,5 bilhões de mercado na América Latina

Autor(es): Por Sergio Leo | De Brasília
Valor Econômico - 28/08/2012

O Brasil, só no ano passado, deixou de vender US$ 5,5 bilhões com a perda de espaço no seu principal mercado, a América Latina. O cálculo é da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em estudo elaborado a pedido do Valor. O montante equivale a 11% de tudo que o Brasil vendeu à região em 2011 e é a diferença entre o que o país exportou para a região e o que exportaria se tivesse mantido a mesma fatia de mercado que detinha em 2008. A perda de competitividade da indústria brasileira é a maior responsável pelo mau desempenho do país, na avaliação da entidade.
Pelo levantamento da CNI, os bens industriais que mais perderam participação foram automóveis, pneus, escavadoras, polímeros, tratores, partes e acessórios para veículos e aços laminados. Os empresários falam em "carnificina" por parte dos concorrentes, que não se resumem à China, principal ameaça às vendas brasileiras: países como Turquia, Coreia, México e até nações ricas como a Alemanha passam a ocupar o espaço que antes era do Brasil.
"O problema da perda de competitividade é geral, e leva a um dado avassalador: a pauta de comércio de manufaturados do Brasil com o mundo, que tinha um superávit da ordem de US$ 10 bilhões em 2005, em 2011 fechou com um déficit de US$ 92 bilhões", disse o presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes. "É uma inversão de US$ 100 bilhões, em seis anos", enfatizou.
A América Latina é o principal bloco consumidor dos manufaturados do Brasil, e absorve 44% das exportações brasileiras desse tipo de produto. As perdas de mercado latino-americano são sentidas principalmente nas vendas da indústria para a Argentina, onde, segundo a CNI, o Brasil perdeu três pontos percentuais em sua fatia de mercado entre 2008 e 2011. Nesse período, outros países, principalmente China e México, avançaram, respectivamente, 3,2 e 0,6 pontos percentuais. A Coreia do Sul e até a União Europeia também avançaram no mercado argentino, ganhando espaço antes ocupado pelas indústrias brasileiras.
Segundo a consultoria Abeceb.com, do economista Dante Sica, a fatia do Brasil nas importações de manufaturados pela Argentina caiu de 32% no primeiro semestre de 2011 para 29% no primeiro semestre de 2012, segundo dados do Indec, o instituto de estatísticas argentino. Nesse período, a Alemanha elevou sua participação de 6% para 7%, os Estados Unidos mantiveram sua parcela de 11% e a China teve uma pequena queda, de 17% para 16%. Os outros seis principais parceiros da Argentina conseguiram manter sua participação e o restante dos fornecedores aumentou em um ponto percentual, para 20%, a fatia no mercado vizinho.
A comparação do desempenho do Brasil com outros países mostra que, mesmo nos mercados para os quais consegue aumentar em termos absolutos suas exportações, o Brasil perde terreno para concorrentes mais agressivos: no Peru, um dos mercados hoje mais dinâmicos na América Latina, o Brasil, no primeiro semestre deste ano, aumentou em apenas 2,7% suas vendas, bem menos que o aumento de 21% do Japão e China, 25% do México e quase 50% da Alemanha, segundo dados da Comissão de Promoção para Exportação e Turismo (Promperu).
"O real valorizado desviou uma parte de nossa competitividade", analisou o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaldi.
Ele acredita, também, que o crescimento do mercado interno no Brasil fez com que muitas empresas desistissem de buscar mercado lá fora e se contentassem com as vendas internas. "Houve essa válvula de escape", comentou. No caso da Argentina, maior mercado brasileiro de manufaturados, as barreiras informais impostas pelo governo local também afetaram as vendas e prejudicaram o desempenho brasileiro, acredita o diretor da CNI, que constatou, porém, perda de mercado do Brasil nos nove principais mercados da América Latina. Apenas na Colômbia e na Argentina os Estados Unidos não acompanharam a China, aumentando participação.
A exportação de manufaturados brasileiros à região é fortemente influenciada pelo comércio de automóveis, que é afetada por acordos de livre comércio firmados pelos países vizinhos com outros e responde às condições de mercado e à estratégia das grandes montadoras.
O Brasil tem aumentado as vendas de autopeças para o mercado argentino, mas aumenta a importação de automóveis e vende menos carros. A queda, em pontos percentuais, da participação dos automóveis brasileiros nos mercados chegou a 18,4 no Chile, 16,8 na Venezuela e 4,7 na Argentina, entre 2008 e 2011. No Peru, a participação brasileira no mercado de veículos de transporte coletivo de passageiros caiu, em quatro anos, de quase 60% para 25%.

Câmbio na OMC

Autor(es): Vera Thorstensen
O Estado de S. Paulo - 28/08/2012

Por mais de seis décadas, ao longo da história do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (Gatt, na sigla em inglês) e da Organização Mundial do Comércio (OMC), o tema câmbio e comércio despertou, e ainda desperta, acalorados debates. Para muitos, a instituição internacional responsável pela supervisão do câmbio é o Fundo Monetário Internacional (FMI), criado, juntamente com o Banco Mundial e o Gatt, na década de 1940. Com a produção e o comércio globalizados, no entanto, desalinhamentos cambiais passaram a fazer parte da estratégia comercial. E, como tal, passam a ser assunto também da OMC.
Quando o Brasil levantou o tema do câmbio na OMC, algumas vozes se insurgiram contra a iniciativa. Uns alegam que ela seria apenas uma manobra para esconder os verdadeiros problemas do País, como altas taxas de juros, de impostos e custos de infraestrutura. Outros temem que o feitiço possa voltar-se contra o Brasil. Essas são visões estreitas. Na verdade, desde 1980, em ciclos, o número de anos em que o câmbio do Brasil esteve desvalorizado é o mesmo em que esteve valorizado. A questão do câmbio não afeta só o Brasil. Ela é sistêmica.
Com o desmoronamento do padrão-ouro nos anos 1970, os países passaram a praticar regimes mais ou menos livres de flutuação. Mas um dado é evidente: no comércio, câmbio desvalorizado representa subsídio direto às exportações e câmbio valorizado significa a redução ou anulações das tarifas negociadas na OMC.
Já existem diversas metodologias para estimar desalinhamentos cambiais a partir de seu equilíbrio teórico. Tal equilíbrio é baseado nos fundamentos da economia e pode ser calculado por meio de sofisticados modelos econométricos de séries de tempo e painéis. O próprio FMI, que há anos calcula tais desalinhamentos, vem divulgando intervalos dessas variações. A análise dos dados demonstra que, ao longo dos anos, vários países vêm mantendo desvalorizações significativas e persistentes, o que tem causando graves impactos nos instrumentos de comércio regulados pela OMC.
Para analisar o tema a fundo a Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EESP-FGV) criou o Observatório de Câmbio e vem calculando desalinhamentos cambiais utilizando diversas metodologias. As estimativas demonstram que dentre os países que apresentam moedas desvalorizadas temos Estados Unidos, com -10% em 2010 e -14% em 2011; China, com -20% em 2010 e -11% em 2011; Hong Kong, Coreia do Sul, Índia, Malásia, Indonésia e todo o bloco do Sudeste da Ásia seguindo o mesmo padrão de desvalorização. Dentre os países com moedas valorizadas temos o Brasil, com +30% em 2010 e +40% em 2011, caindo para +15% após a intervenção do início do ano; Reino Unido, que não pertence à zona do euro, com 24% em 2010 e 26% em 2011; Austrália, Argentina, Uruguai e África do Sul seguem o mesmo padrão. A zona do euro também apresenta desalinhamentos significativos, com Grécia, Holanda e Espanha valorizados e Alemanha, França e Finlândia desvalorizados.
Se transformarmos em tarifas os desalinhamentos apresentados, num exercício de tarificação do câmbio, a conjugação de desalinhamentos bilaterais é significativa. Países desvalorizados estão subsidiando suas exportações, o que pode ferir as regras do Gatt (artigo XV), e também praticando tarifas acima das consolidadas, contra as regras do Gatt (artigo II). Já os países valorizados, dependendo do nível praticado, estão anulando todas as tarifas aplicadas e mesmo oferecendo incentivo às importações de países desvalorizados.
Enquanto as grandes potências econômicas - tradicionais, emergentes e imergentes - discutem sobre a governança global, toda a estrutura de regras do comércio é erodida por políticas cambiais sem controle. Os membros da OMC passaram dez anos discutindo reduções tarifárias na Roda Doha, que viraram pó diante dos níveis de desalinhamentos praticados. Autoridades de comércio passam anos investigando práticas de dumping e subsídios para aplicarem direitos de defesa que são distorcidos diante dos desalinhamentos existentes. Os acordos preferenciais negociam desmantelamentos tarifários que são reerguidos pelo câmbio, bem como regras de origem baseadas em valor agregado, que se esfumaçam na fronteira.
Afirmar categoricamente que câmbio não é assunto da Organização Mundial do Comércio é demonstrar desconhecimento das bases da própria OMC. O tema câmbio esteve explicitamente presente em toda a criação das organizações de Bretton Woods. Regras sobre câmbio e comércio estão bem claras no artigo IV do FMI e no artigo XV do Gatt. Em 1980 foram a base dos Guideliness sobre taxas de câmbio que renegociaram tarifas de vários países que enfrentaram problemas com o fim do padrão-ouro. O que falta é coragem política para usá-las.
O mundo atual vive uma fase de profunda desgovernança. Preservar as regras do comércio é imprescindível ao momento atual. O câmbio afeta diretamente o comércio e flutuações de câmbio são esperadas. Mas o FMI não pode impedir que a OMC negocie regras que anulem as distorções do câmbio quando forem significativas e persistentes.
O Brasil tem, sim, todo o direito de levantar na OMC a discussão de novas regras que permitam que tarifas, direitos antidumping, antissubsídios ou salvaguardas, quando aplicados, tenham dentes para defender os interesses do País e não sejam inutilizados diante de desalinhamentos manipulados.
O problema atinge todos os membros da Organização Mundial do Comércio. Ou o câmbio entra na OMC para preservar a sua eficácia, ou a OMC se transforma em mais uma ficção jurídico-diplomática, com regras de papel alienadas de toda realidade econômica.

Soja avança sobre pastagens no Tocantins

Autor(es): Por Luiz Henrique Mendes | De Porto Nacional e Gurupi (TO)
Valor Econômico - 28/08/2012
A estrada que liga o município de Sandolândia, no sudoeste do Tocantins, à capital Palmas, é um retrato da rápida e intensa transformação da produção rural do Estado. Considerado um dos berços da pecuária brasileira por sua relevância na criação de bezerros, Tocantins não consegue mais resistir à rentabilidade proporcionada pela agricultura.
Conforme o percurso da rodovia João Lisboa da Cruz - a TO-070 - avança e o relevo acidentado do Araguaia fica para trás, as áreas de pasto, notadamente a partir do município de Brejinho de Nazaré, dão lugar às lavouras de soja.
Entre os dias 22 e 25 de agosto, o Valor acompanhou, a convite das consultorias Agroconsult e Bigma, a primeira etapa do "Rally da Pecuária", expedição que no total percorrerá 40 mil quilômetros do país para avaliar as condições de pastagens e da produção de gado. Num roteiro (ver mapa) em que percorreu os Estados de Goiás e Tocantins, a reportagem visitou sete fazendas, participou de trabalhos de campo e conversou com pecuaristas da região.
"Provavelmente, esse é o último ano que faremos amostras nesse pasto. Em 2013, essa área será lavoura", afirmou André Debastiani, analista da Agroconsult, em uma das análises de pastagens realizadas em Brejinho de Nazaré. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as pastagem em Tocantins ocupam 10 milhões de hectares. No país, os pastos cobrem cerca de 170 milhões de hectares.
Com uma área plantada com grãos de 743,1 mil hectares na safra 2011/12, Tocantins é apenas um exemplo de uma tendência que atinge as principais regiões de pecuária do Brasil, como as porções norte e leste de Mato Grosso, os Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e algumas regiões do Pará, segundo Debastiani.
A área plantada com grãos, cana-de-açúcar e reflorestamento no Brasil deverá aumentar 15,3 milhões de hectares nos próximos dez anos, conforme estimativa da Agroconsult e da Bigma. E a maior parte desse avanço virá da conversão de áreas de pasto. Pelos cálculos das duas consultorias, a agricultura abocanhará 12,4 milhões de hectares que hoje servem à pecuária bovina.
Acompanhando esse movimento, o agricultor Luciano Rosa Nascimento deixou o Paraná em 2005 para ser um dos consolidadores da fronteira agrícola brasileira conhecida como "Mapitoba" - confluência entre os Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia. De lá para cá, ampliou sua área plantada com soja na região de Porto Nacional (TO) para 800 hectares.
No último ano, o produtor deu mais um passo, ao adquirir a Fazenda Nova Esperança, no mesmo município, até então concentrada na engorda de animais de corte. "Em três anos, vamos transformar a maior parte em lavoura", conta. Com uma área de 600 hectares, Nascimento pretende converter 500 hectares para o plantio de soja. Na área restante, o agricultor manterá o confinamento com capacidade para 750 animais. "Vou aproveitar a estrutura que já existia".
Depois de resistir a propostas de agricultores por três anos, o pecuarista Valdofredo Gonçalves de Paula, proprietário da Fazenda Carolina, de Paraíso (TO), arrendou 100 hectares de sua propriedade de 3,3 mil hectares. "Não entendo nada de soja. O que eu gosto mesmo é pecuária, mas a tendência é que o grão avance", reconhece Gonçalves de Paula.
Segundo ele, o arrendamento lhe proporcioná ganhos superiores aos que teria com a criação de bezerros. Pelos termos do arrendamento, o pecuarista ficará com 5 sacas de soja por hectare plantado. Em Ipueiras (TO), o catarinense Alexandre Ferrari, da Fazenda Brasil, seguiu o mesmo caminho e destinou 100 hectares de pasto degradado para a soja.
Em grande medida, a cessão de áreas para agricultura é um resultado da baixa rentabilidade da produção de gado. "Está cada vez mais difícil aumentar renda na pecuária. A agricultura rende dez vezes mais que a pecuária. É por isso que cede área", disse Maurício Nogueira, sócio-diretor da Bigma.
De acordo com o agrônomo, o pecuária brasileira deveria ter uma produtividade anual de 15 arrobas por hectare para "ficar competitiva e não mudar para a agricultura". Atualmente, a produtividade média da pecuária nacional é de 3,65 arrobas por hectare, segundo previsão da Bigma.
Diante da iminente perda de área para a agricultura, os pecuaristas precisarão superar uma tradicional resistência do setor se quiserem permanecer na atividade: o uso de tecnologias como a adubação de pastagens. "O ritmo de adoção de tecnologia vai ter que ser maior nos próximos anos", afirma Nogueira.
E não só a sobrevivência dos pecuaristas está em jogo. Com a redução da área de pastagens, a tecnologia também será fundamental para que a produção de carne bovina consiga atender a demanda projetada para os próximos anos. De acordo com estimativas da Agroconsult e da Bigma, a demanda por carne bovina produzida no Brasil saltará das atuais 9,3 milhões de toneladas para 13 milhões em 2022.
Apesar das dificuldades, Nogueira acredita que a pressão sobre a atividade estimulará o setor a avançar em tecnologia e produtividade. "Vamos ter que acelerar o uso de tecnologia porque a agricultura vai tomar área de qualquer jeito", diz ele. Em suas projeções, o país elevará a taxa de animais abatidos sobre o rebanho total dos atuais 19,3% para 23,2% até 2022 - nos Estados Unidos, esse percentual chega a 38%. Já a produtividade da pecuária brasileira atingirá a 5,36 arrobas por hectare em dez anos.
Nesse cenário, o analista prevê que os abates no país crescerão 38,3% em dez anos, para 53,6 milhões de cabeças. A participação dos confinamentos nos abates, por sua vez, deverá dobrar, para 20%.
Além de incrementar a produção, o maior uso de tecnologia também pode reduzir a necessidade de pastagens no país. Segundo cálculos de Agroconsult e Bigma, se toda a pecuária brasileira - e não só as áreas que competem com a agricultura - ampliassem a produtividade anual para 15 arrobas por hectare, a necessidade de pastagem no país seria de apenas 41,4 milhoes de hectares, ante os 170 milhões atuais.
"Nós vamos demorar muito para ver esse cenário, mas o uso de tecnologia vai aumentar ano a ano", assegura Maurício Nogueira. Ainda assim, o analista garante que a disponibilidade de pastagem - um pouco menor, talvez - seguirá como uma das vantagens comparativas do Brasil em relação à seus concorrentes como Estados Unidos e Austrália, que utilizam o confinanamento na quase totalidade dos abates, encarecendo o custo de suas respectivas produções.

Safra tem gargalo logístico, conclui TCU

O Estado de S. Paulo - 28/08/2012

Para tribunal, 40% das necessidades logísticas do agronegócio no encontram atenção do governo federal

O Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que 40% das necessidades logísticas do agronegócio para escoamento da safra não encontram atenção do governo federal nas políticas destinadas a melhorar estradas, linhas férreas e hidrovias. A situação é mais grave no Norte e no Nordeste, analisa o tribunal, por onde se poderia escoar mais da metade da produção de grãos, hoje concentrada nos portos do Sudeste.
A auditoria foi feita a pedido da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, com o objetivo de verificar "as medidas tomadas pelo governo para o escoamento da produção agropecuária". O documento não tem relação direta com o pacote de concessão de 10 mil quilômetros de ferrovias e 7,5 mil quilômetros de rodovias à iniciativa privada, anunciado há duas semanas pela presidente Dilma Rousseff. No entanto, diversos trechos de ferrovias apontados como necessários pela auditoria não estão no pacote, nem nos planos do Ministério do Trabalho.
"A grande demanda dos setores público e privado ligados ao agronegócio está relacionada ao escoamento dos excedentes produtivos gerados pelas regiões de fronteira agrícola pelos portos do Norte e Nordeste, utilizando o potencial hidroviário disponível naquelas regiões e incrementando a participação do modal ferroviário", assinalam os técnicos do tribunal em sua auditoria. "Cerca de 40% das intervenções mapeadas de interesse do agronegócio (...) não estão previstas pelos órgãos de governo encarregados de seu planejamento."
As conclusões do tribunal servem de alerta para o governo, no momento em que a equipe de Dilma finaliza um novo pacote de concessão de aeroportos e portos, até meados de setembro, segundo prometeu a própria presidente. A falta de investimentos para facilitar a exportação de novas áreas de cultivo, como o norte do Mato Grosso, Rondônia, sul do Maranhão e do Piauí e norte do Tocantins, pode até mesmo limitar a expansão da produção agrícola brasileira, na avaliação dos técnicos do TCU.
Lentidão. Não bastasse a ausência de recursos para oferecer portos, hidrovias, ferrovias e rodovias em bom estado para baratear os grãos brasileiros, os investimentos, quando acontecem, são lentos e levantam suspeitas, segundo o tribunal, responsável pela fiscalização do uso de recursos públicos. "As obras rodoviárias e ferroviárias de interesse do agronegócio fiscalizadas pelo TCU entre os anos de 2009 e 2011 apresentaram grande número de irregularidades, sendo que as ocorrências registradas com maior frequência estão relacionadas a falhas em projetos, fiscalização e preços." Na avaliação do presidente da Associação dos Produtores de Milho e Soja do Mato Grosso (Aprosoja/MT), Carlos Fávaro, o setor vive um "apagão logístico". Ele lembra que existem 200 navios aguardando ao largo em Paranaguá, sendo 40 com fertilizantes, cujos proprietários recebem diária de US$ 60 mil a título de atraso no desembarque.
Procurado, o Ministério dos Transportes informou que não tinha conhecimento das conclusões técnicas, apesar de trabalhar em parceria com o TCU. O TCU aprovou a auditoria em sessão pública na semana passada.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Unilever craint un retour de la pauvreté en Europe

Le responsable pour l'Europe du groupe agroalimentaire assure adapter ses méthodes de vente, en proposant notamment des plus petits conditionnements, à plus bas prix.

Le responsable pour l’Europe du géant anglo-néerlandais de l’agroalimentaire et des cosmétiques Unilever dit dans un entretien paru lundi voir «la pauvreté revenir» sur le continent, et veut adapter en conséquence sa stratégie.
«La pauvreté revient en Europe», a dit Jan Zijderveld au quotidien allemand Financial Times Deutschland, ajoutant : «Si un Espagnol ne dépense plus en moyenne que 17 euros quand il fait les courses, je ne vais pas lui proposer un paquet de lessive qui coûte la moitié de son budget».
M. Zijderveld dit vouloir s’inspirer désormais en Europe des méthodes utilisées par Unilever dans les pays asiatiques en développement, en vendant des produits meilleur marché car en plus petit conditionnement.
«En Indonésie nous vendons des échantillons individuels de shampoing pour 2 à 3 centimes pièce et pourtant nous gagnons de l’argent», dit le responsable en Europe d’un groupe chapeautant des marques telles que Dove (savon), Magnum (crème glacée), Knorr (épicerie) ou Cajoline (adoucissant).
Le Financial Times Deutschland rapporte qu’Unilever a par exemple commencé à vendre en Espagne de petits paquets de lessive ne permettant de faire que cinq machines.
«Les marchés en Europe sont un peu les jeux Olympiques de la distribution : le plus difficile! Qui se sort d’ici, celui-là y arrivera partout», a déclaré M. Zijderveld.

27.08.2012, 12:56 Schriftgröße: AAA

Krise im europäischen Markt Unilever stellt sich auf neue Armut in Europa ein

© Bild: 2012 FTD/Patrick Lux

Die Rezession in vielen EU-Staaten zwingt den Konsumgüterkonzern Unilever zum Umdenken. Das Erfolgsmodell: mehr günstigere Kleinpackungen statt nur teure Premium-Produkte. von Gregor Kessler und Guido Warlimont Hamburg
Der Konsumgüterkonzern Unilever stemmt sich mit Strategien aus den Schwellenländern gegen die Krise im europäischen Markt. Das Unternehmen umwirbt aggressiv Konsumenten mit geringem Einkommen. "Die Armut kehrt nach Europa zurück", sagte Europa-Chef Jan Zijderveld der FTD. "Wenn ein Spanier nur noch durchschnittlich 17 Euro pro Einkauf ausgibt, dann kann ich ihm kein Waschmittel für die Hälfte seines Budgets verkaufen."
Deshalb will der drittgrößte Konsumgüterhersteller der Welt nun Lehren aus dem Asien-Geschäft anwenden. "In Indonesien verkaufen wir Einzelpackungen Shampoo für 2 bis 3 Cent und verdienen trotzdem ordentliches Geld", sagte Zijderveld. "Wir wissen, wie das geht, aber in Europa haben wir es in den Jahren vor der Krise verlernt." Unilever ist für Marken wie etwa Knorr oder Langnese bekannt.
Umsatz von Unilever in Westeuropa   Umsatz von Unilever in Westeuropa
Das Beispiel zeigt, wie die Rezession in vielen Ländern Europas Konzerne zum radikalen Umdenken zwingt. Offensichtlich sieht Unilever die Wirtschaftskrise nicht als kurzfristige Phase. Bislang hatten Konsumgüterunternehmen versucht, Wachstum in den reifen westlichen Märkten etwa durch teurere Ökoprodukte oder Premiummarken zu erreichen - um sich von den günstigen Handelsmarken der Discounter abzuheben.
Inzwischen verkauft Unilever in Spanien sein Waschmittel Surf in Packungen, die lediglich für fünf Waschgänge reichen. In Griechenland bietet der Konzern heute Kartoffelpüree und Mayonnaise in Kleinpackungen an, während Basisprodukte wie Tee oder Olivenöl unter einer griechischen Preiseinstiegsmarke verkauft werden. Auch in Großbritannien hat der Konzern die Strategie übernommen.
Der Niederländer Zijderveld führt seit Anfang 2011 Unilevers Geschäfte in Westeuropa. Bislang geht seine Strategie auf: Nachdem die Umsätze des Konzerns in der Region zuvor stagnierten oder rückläufig waren, stand 2011 wieder ein kleines Plus von 0,7 Prozent in der Bilanz. Im ersten Halbjahr 2012 legten die Erlöse mit 1,1 Prozent zu, höhere Rohstoffpreise ließen aber den Gewinn niedriger ausfallen.
Westeuropa stand im vergangenen Jahr mit insgesamt 12,3 Mrd. Euro Umsatz für gut ein Viertel der Konzernerlöse - und ist mit einer Gewinnmarge von gut 17 Prozent die profitabelste der drei Unilever-Regionen. "Ich bin stolz auf dieses Ein-Prozent-Wachstum", sagte Zijderveld. "Die Märkte in Europa sind so etwas wie die Olympischen Spiele der Konsumgüterbranche: der Härtetest! Wer es hier schafft, der schafft es überall."
Bevor Zijderveld in die Europa-Zentrale nach Rotterdam wechselte, leitete er drei Jahre das Unilever-Geschäft in Südostasien - einem der wachstumsstärksten Märkte. Nun verantwortet er eine Region mit umgekehrten Vorzeichen: Für Europas Lebensmittelgeschäft kalkuliert der Konzern langfristig mit einem Umsatzwachstum von nur 0,2 Prozent.
Wachstumsimpulse können dabei nach Überzeugung des Europa-Chefs nicht nur aus der Industrie kommen. Auch der Handel habe Nachholbedarf. "In einem Apple-Store denkt jeder: Wow, was für ein Erlebnis! In einigen Supermärkten in Europa aber denken Sie: Halb leere Regale, Kartons auf dem Boden, kein Verkäufer weit und breit - wie schrecklich ist das denn?" Präsentation wie Service müssten besser werden. "Warum können wir Lebensmittel nicht wie Apple-Geräte verkaufen?", so Zijderveld. "Warum gibt es keine Genius-Berater für Hühnerfleisch?"

Múltis brasileiras mais globais

O Estado de S. Paulo - 27/08/2012
Quando a receita lá fora já supera os ganhos no Brasil
Desde o início da crise, em agosto de 2007, companhias nacionais investiram US$ 99 bilhões na compra de empresas no exterior

Gurus da autoajuda empresarial gostam de citar o ex-presidente americano John Kennedy em momentos difíceis. Em 1959, ele fez uma declaração que, apesar de equivocada, popularizou uma máxima sobre "crises". Em chinês, disse o presidente, essa palavra é formada por dois caracteres - um representa "perigo" e o outro "oportunidade".
Na prática, essa não é uma afirmação que vale para todos os casos em tempos de recessão. Mas, para as multinacionais brasileiras, até que é bem apropriada. Apesar das dificuldades, elas conseguiram se tornar mais globais, aproveitando o momento em que os empresários estrangeiros estavam com a corda no pescoço por causa da crise para acelerar as aquisições.
De 2007 até junho deste ano, as multinacionais verde-amarelas investiram US$ 99 bilhões na compra (total ou parcial) de empresas no exterior. Esse valor é quase o dobro do que foi investido nas duas décadas que antecederam a crise. "Não podemos dizer que foi um período fácil para as empresas brasileiras. Não foi", diz Sherban Leonardo Cretoiu, coordenador do Núcleo de Negócios Internacionais da Fundação Dom Cabral. "Mas, apesar das incertezas do mercado externo, as companhias conseguiram manter a expansão iniciada em 2005 e se tornaram mais internacionalizadas."
Um exemplo emblemático do que foram esses cinco anos para as múltis brasileiras é o da fabricante de equipamentos Romi, sediada em Santa Bárbara D"Oeste, a 140 km de São Paulo. Em agosto de 2007, ela já se preparava para fazer sua primeira aquisição no exterior quando veio o primeiro soluço da crise: o banco francês BNP Paribas congelou os resgates em três fundos de investimento baseados em títulos hipotecários - era o "subprime". "Nossa bola de cristal da época não mostrava que o mundo ia afundar", diz o presidente da Romi, Livaldo Aguiar.
Mesmo assim, em maio de 2008, a companhia comprou a fabricante italiana de equipamentos Sandretto, por 5,5 milhões. "A Romi estava com ótimos resultados e a aquisição seria a porta de entrada para a Europa a um preço atraente", conta Aguiar. Mas a crise derrubou o volume de pedidos e o alto custo trabalhista fez com que a primeira fábrica da Romi no exterior desse prejuízo (as perdas ainda não foram calculadas). Apesar do revés, Aguiar não desistiu do plano de expansão internacional, que visava reduzir a dependência da empresa do mercado brasileiro, onde está 75% da receita atual.
No fim de 2011, a Romi comprou também a alemã Burkhardt + Weber e já tem pedidos firmes para usar toda a capacidade da fábrica por um ano e meio. "Queríamos ter acesso a uma tecnologia mais avançada, e não apenas a um mercado", afirma Aguiar. Hoje, a Romi já faz planos de equipar a fábrica do Brasil com as máquinas feitas pela subsidiária da Alemanha.
Desempenho. A Romi não foi a única a ter perdas no exterior. Levantamento recente da USP e da FGV com 95 multinacionais mostra que 80% delas não atingiram suas metas de faturamento e margem de lucro nos últimos anos. "É natural que empresas que estão no início do processo de internacionalização tenham um desempenho baixo", diz Maria Tereza Leme Fleury, uma das autoras da pesquisa. "Mas a crise também influenciou."
O momento de maior retração da expansão internacional foi 2009, quando mercados de todo o mundo entraram em compasso de espera até saber quanto faltava para chegar ao fundo do poço. No ano seguinte, os investimentos foram retomados. Agora, com mais turbulências na Europa, as multinacionais brasileiras fizeram nova parada técnica.
A compra de participações de empresas no exterior, que no primeiro semestre de 2010 movimentou US$ 14 bilhões, caiu para US$ 8,3 bilhões em 2012. "O medo do desconhecido fez com que elas colocassem novamente o pé no freio", diz Luis Afonso Lima, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais (Sobeet).
Além disso, com o mercado ruim lá fora, as múltis estrangeiras têm apostado ainda mais fichas no Brasil. "É hora, portanto, de as brasileiras reservarem uma atenção maior para o mercado nacional", afirma Luis Motta, sócio-líder de fusões e aquisições da KPMG.
A Petrobrás, que iniciou sua expansão fora do País nos anos 70 junto com gigantes como Odebrecht e Embraer, anunciou no ano passado que venderá ativos no exterior, como blocos de exploração e refinarias, para priorizar o pré-sal. "Essa, no entanto, é uma situação momentânea para boa parte das empresas brasileiras, porque a internacionalização é um caminho inevitável", diz Lima, da Sobeet.
A última pesquisa da Fundação Dom Cabral sobre multinacionais brasileiras mostra que, embora 28% delas não queiram iniciar uma nova operação internacional no curto prazo, 60% planejam expandir atividades nos mercados em que já atuam.
Alguns fatores explicam por que é tão importante para as grandes companhias nacionais explorar o mercado externo. Primeiro: as empresas que querem crescer em seus segmentos precisam buscar novos mercados. "O Brasil é grande, mas o mundo é maior", diz Alberto Mondelli, presidente da consultoria Mercer.
Para quem já é líder no mercado nacional, aumentar 1% ou 2% de participação custa mais do que começar do zero em outro país. Foi o que a fabricante de tubos e conexões Tigre, detentora de 50% do mercado no Brasil, pensou ao ir para os EUA em 2007. "Só agora tivemos um pequeno lucro, mas não vamos arredar o pé de lá, porque é o mercado onde podemos crescer", diz Evaldo Dreher, presidente da companhia catarinense.
Para sobreviver à competição global, as multinacionais brasileiras não podem ignorar que suas principais concorrentes também são internacionais. É preciso olhar o mundo inteiro, para saber explorar as vantagens de cada país - como está fazendo a fabricante de motores elétricos WEG. Neste ano, a companhia passou a comprar componentes de fornecedores indianos para abastecer suas outras fábricas, incluindo a brasileira. Em 2011, também fez uma aquisição nos Estados Unidos para ter acesso a tecnologias para o setor de óleo e gás, com o objetivo de atender clientes como a Petrobrás e empresas do Oriente Médio.
Motivações. Ao mesmo tempo em que se tornam mais competitivas, as múltis conseguem reduzir os danos de uma possível recessão interna diversificando suas operações mundo a fora. Num período de crise como o dos últimos cinco anos, fica mais fácil fazer aquisições, já que o preço dos ativos no exterior despenca. Para quem precisa de escala para sobreviver é um bom impulso ao crescimento.
O caso do JBS, maior produtor de carne do mundo, é o que mais se destaca. Com nove aquisições em sequência a partir de 2007, a empresa viu o peso do mercado externo em seu faturamento saltar de 10% para 75% hoje.
Na mesma linha do JBS e com a mesma motivação de ganhar escala, a Stefanini, que atua na área de tecnologia de informação, chegou ao fim desses cinco anos com 71 escritórios em 29 países, responsáveis atualmente por 40% da receita do grupo. "Aproveitamos para assumir contratos de concorrentes com problemas financeiros", conta o presidente da empresa, Marco Stefanini.
A estimativa da Sobeet é de que 900 empresas brasileiras estejam atuando no exterior - três vezes mais que há dez anos. A crise nos países desenvolvidos não é lá uma novidade para elas, já que por anos viveram num Brasil desfavorável aos negócios. A experiência aqui dentro ensinou que estar em vários mercados é uma proteção natural. "A capacidade de resistência é um ativo que a crise nos dá", diz Stefanini. "O empresário sangra, mas vira o jogo."

Ganhos na Índia compensam perdas na Rússia

O Estado de S. Paulo - 27/08/2012

A crise financeira testou a capacidade da gaúcha Marcopolo de trocar rapidamente mercados enroscados por outros promissores. De 2007 para cá, a fabricante de ônibus fechou suas operações na Rússia e em Portugal, mas fez uma aquisição na Austrália e abriu uma unidade de produção de componentes na China. Ao mesmo tempo, reforçou suas atividades em mercados como a Índia e a África do Sul, onde as vendas não foram abaladas pela turbulência que afetou economias mais desenvolvidas.
"Conseguimos manter resultados positivos lá fora porque tivemos agilidade para mudar", diz Carlos Vignani, diretor de relações com investidores da Marcopolo. Nem em 2009, ano mais difícil da crise, a empresa registrou prejuízo em suas operações. A fabricante de ônibus começou a se internacionalizar na década de 90, pela América Latina. Começou se instalando na Argentina, mas a experiência não foi das melhores. Três anos depois de abrir a fábrica, teve de fechar as portas por causa da crise. Em 2006, a empresa voltou para o país vizinho e fez aquisições na Rússia - duas operações que viriam a dar problemas. "No mercado russo, a produção total caiu de 30 mil ônibus para zero durante a crise", lembra Vignani. A opção foi sair e manter apenas um escritório comercial no país até que a situação melhore. Na Argentina, por conta da nova crise política, a produção da Marcopolo registrou queda de 50% entre o ano passado e este.
Em 2008, a fabricante gaúcha também decidiu investir numa joint venture no Egito. O negócio ainda não deu lucro, porque a demora para se estabelecer no país fez com que eles perdessem espaço para concorrentes da Turquia e do próprio Egito. "Mas o Oriente Médio é um local estratégico, porque a demanda por ônibus é muito alta."
A escolha pela internacionalização, segundo Vignani, foi motivada por dois fatores: o fato de a empresa já ser responsável por 46% da vendas de ônibus no Brasil e para se proteger de futuras crises internas. Com 30% do faturamento de R$ 3,3 bilhões no mercado externo, a Marcopolo aposta nos megaeventos esportivos para crescer internamente e na aquisição de pelo menos mais uma fábrica no exterior.

Apesar dos riscos políticos, AL é alvo de expansão

O Estado de S. Paulo - 27/08/2012
Os países vizinhos são a fronteira de expansão do Itaú como banco de varejo. Nos demais mercados, a estratégia é ter escritórios para atender empresas e investidores. A fórmula do banco para ganhar mercado na América Latina é a mesma adotada no Brasil: fusões e aquisições. A instituição se tornou líder entre os bancos privados brasileiros em 2008, quando adquiriu o Unibanco.
A primeira aquisição no exterior foi em 1998, quando o Itaú comprou o argentino Banco Del Buen Ayre. Mas o maior avanço internacional é resultado de um negócio fechado no Brasil. A aquisição da subsidiária brasileira do Bank Boston, em 2006, incluiu os ativos do banco no Chile e no Uruguai. A unidade paraguaia veio com o Unibanco.
Para ganhar espaço nesses mercados, o Itaú dá atenção especial às características locais de cada região. No Chile, por exemplo, o banco teve de, inicialmente, abandonar o laranja das fachadas, já que para os chilenos essa cor tem uma conotação popular, incoerente com seu foco no público de alta renda. Só depois de seis anos no país, o Itaú começou a adotar sua cor na fachada das agências. "A América Latina não é um bloco homogêneo. Precisamos entender cada país e atuar regionalmente", disse o vice-presidente do Itaú na América Latina, Ricardo Marino.
O braço latino-americano do Itaú ainda é pouco relevante - 95% dos ativos do banco estão no Brasil. Mas a expansão é expressiva: em junho, o banco somou R$ 35 bilhões de ativos na região, uma alta de 64% em um ano.
Para ganhar mais espaço entre os vizinhos, o Itaú esbarra na falta de ativos interessantes à venda. "É difícil começar do zero no varejo. É mais fácil começar com uma rede de clientes e agências estabelecida", explica Marino.
O crescimento expressivo dos países latinos e a proximidade geográfica atrai as empresas brasileiras, mas o risco político pode atrapalhar os negócios. Em junho, logo após o impeachment do ex-presidente Fernando Lugo, Marino viajou ao Paraguai para encontrar autoridades do novo governo. Apesar dos riscos, o Itaú manterá sua estratégia no Paraguai. "Esses países são o Brasil lá atrás. Sempre tivemos de administrar riscos, mas nunca fugimos do País."

Na crise, nasce o maior produtor de carne do mundo

O Estado de S. Paulo - 27/08/2012
Quando o JBS pôs os pés nos Estados Unidos em 2007, Wesley Batista, responsável por comandar a operação no território americano, tinha medo de atender o telefone porque não sabia falar uma palavra de inglês. Naquela época, já com duas unidades na Argentina, adquiridas dois anos antes, o JBS não era sequer mencionado na lista das empresas brasileiras mais internacionalizadas, que é divulgada anualmente pela Fundação Dom Cabral. Hoje, ele é líder absoluto do ranking: 73% de seu faturamento de US$ 61 bilhões vêm de suas operações no exterior. E Wesley já se vira com o inglês.
Entre o início da crise financeira internacional e 2010, a empresa investiu US$ 5,6 bilhões em nove aquisições na Argentina, nos EUA e na Austrália. "O JBS multinacional não existe fora do período da crise", diz Jerry O"Callaghan, diretor de relações com investidores da companhia, que conquistou nos últimos anos o título de maior produtor de carne do mundo. "Foi em função da crise que conseguimos comprar, por um preço melhor, a segunda maior produtora de frango do mundo, a Pilgrim"s Pride." Em função da crise e de um sócio poderoso (e polêmico): o BNDESPar, braço de participações do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), financiou as aquisições do grupo no Brasil e no exterior.
A estratégia de internacionalização do JBS foi pensada de modo que as bases de produção ficassem em locais mais eficientes, diz O"Callaghan. "O problema é que, depois de tantas compras, a própria empresa começou a dar sinais de ineficiência", diz um analista do setor. No ano passado, o JBS teve um prejuízo de US$ 75 milhões e no ano anterior, de US$ 292 milhões. A empresa teve problemas na Argentina, onde fechou operações por conta dos reflexos da crise política, e na Itália, onde se desentendeu com o sócio. Enquanto termina de arrumar a casa, o JBS já faz novos planos de expansão: quer elevar a receita em 15% este ano - e isso pode incluir mais aquisições, dentro e fora do País.

Rumo a mercados emergentes, onde o custo é menor

O Estado de S. Paulo - 27/08/2012
A percepção de que o câmbio sofreria uma mudança brusca com a melhora da economia brasileira levou a fabricante de refrigeradores comerciais Metalfrio a transferir parte de sua produção para o exterior em 2006. Antes, a empresa atendia clientes globais no mercado externo através de exportações. A fábrica brasileira vendia 30% da sua produção para o exterior até 2005, índice que hoje é de apenas 5%. "O Brasil deixou de ser uma plataforma competitiva para exportações", diz o presidente da Metalfrio, Luiz Eduardo Caio.
A estratégia da companhia é produzir em países emergentes. Atualmente, tem fábricas na Rússia, no México e na Turquia. "O frete para refrigeradores é caro. Temos de produzir em países que oferecem condições competitivas e ao mesmo tempo dão acesso a mercados populosos e em expansão", explica Caio. Apesar do foco nos emergentes, a Metalfrio já produziu em mercados maduros. Em junho de 2006, comprou a dinamarquesa Caravell/Derby, por valor não revelado. "Queríamos acelerar o crescimento na Europa", disse Caio.
A empresa percebeu que produzir na Dinamarca era caro e anunciou em agosto de 2007 uma provisão de R$ 11,4 milhões para o fechamento da fábrica. Os ativos foram transferidos para as unidades da Rússia e da Turquia. "Passamos a atender a Europa a partir de bases mais eficientes de produção", explicou Caio.
Neste ano, a empresa prepara outra adaptação para enfrentar a crise econômica. As vendas da Metalfrio no mercado europeu, que respondem por um terço do total, caíram 28% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. A Metalfrio quer usar a fábrica na Turquia, que concentra os pedidos da Europa Ocidental, para atender clientes do Oriente Médio e do Leste Europeu. "É preciso ser flexível."
A regra também vale para a operação no Brasil. A Metalfrio fechou sua fábrica de São Paulo em 2010 e transferiu a produção para Três Lagoas (MS), onde ganhou incentivos fiscais.

Intensificação da Pastagem pode melhorar em 62% Receita

Bruta do Pecuarista
Data: 27/08/2012 10:54
Editoria: NOTÍCIAS
Assunto principal: OUTROS
da fonte
A - A +


Os impactos das regras do novo Código Florestal em vigor para a pecuária de corte foram analisados pelos pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP). Eles avaliam que, devido à obrigatoriedade de retirar parcela de terra e recompor a área com espécies nativas, o produtor deve manter seus rebanhos numa área menor. Neste caso, eles precisam intensificar o uso das pastagens com o objetivo de, num primeiro momento, evitar a diminuição do rebanho. O levantamento mostra que a intensificação de pastagem, além de gerar um melhor aproveitamento da área da propriedade, pode elevar em 42% a taxa de lotação e em 62% a receita bruta do pecuarista. O boletim Ativos da Pecuária de Corte, elaborado pelo Cepea em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) analisa, ainda, o custo para recuperação de florestas nativas e os custos de produção da atividade. Entre os insumos usados na pecuária de corte, os preços dos adubos e dos corretivos foram os que mais subiram nos últimos meses. No acumulado até junho, a alta do grupo adubos e corretivos para pastagens foi de 5,13%, resultado influenciado pela demanda aquecida para a cultura da soja, a valorização do dólar e a recente compra de grandes quantidades de uréia pelos norte-americanos. O estímulo para se ampliar a produção de soja decorre das quebras de safra na América do Sul e nos Estados Unidos, situação que impulsionou os preços para níveis recordes.
Acesse o Boletim: http://www.canaldoprodutor.com.br/sites/default/files/ativo_corte_20.pdf

1 em 4 cidades registra área rural maior que território

Data: 27/08/2012
Editoria: PODER
Jornalista(s): AGUIRRE TALENTO
Assunto principal: OUTROS
da fonte
A - A +

Formato A4: PDF WEB http://www.linearclipping.com.br/conab/detalhe_noticia.asp?cd_sistema=26&codnot=3941501


Dado é indício de apropriação ilegal de terras, conhecida como grilagem
Problema é tão comum em RO, MS e GO que soma dos registros supera superfície dos próprios Estados
Um em cada quatro municípios brasileiros tem mais propriedades rurais cadastradas do que a sua própria superfície territorial, indício da apropriação ilegal de terras, conhecida como grilagem.
Dados do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) obtidos pela Folha com base na Lei de Acesso à Informação mostram que a situação ocorre em 1.355 das 5.566 cidades brasileiras (24,3%).
"Sabíamos que em alguns municípios esse problema ocorria, mas é uma grande surpresa serem tantos assim, no Brasil inteiro", afirmou Girolamo Treccani, professor de direito agrário da Universidade Federal do Pará (UFPA).
Em Rondônia, Mato Grosso do Sul e Goiás, esse problema fundiário é tão frequente que a soma dos registros de terra supera a superfície dos próprios Estados.
Em um hipotético município onde todos os registros de terra são regulares, a soma dessas áreas jamais atingirá 100% da superfície apontada pelo IBGE, já que toda a zona urbana, por exemplo, fica fora dessa conta.
O especialista da UFPA considera que os dados são "prova inquestionável" da ocorrência de grilagens.
O Incra, porém, é mais cauteloso e afirma que o problema também pode ocorrer por erro dos servidores do órgão no momento de preencher um cadastro de imóvel rural.
Mas, além disso, existe a possibilidade de fraude no sistema do órgão, o que seria um tipo de grilagem virtual.
Para Evandro Cardoso, coordenador nacional do cadastro rural do Incra, a inconsistência na base de dados ocorre porque o proprietário do imóvel é o responsável pelos dados declarados.
Segundo ele, o órgão tem tomado medidas para checar os dados e corrigir o problema -fechou uma parceria com o Exército para tentar combater o que seus técnicos chamam de "inconsistências" na base de dados.
A sobreposição de terras (quando uma propriedade está registrada no mesmo local de outro imóvel) é um dos combustíveis dos conflitos agrários.
Das 144 mortes por disputas agrárias registradas nos últimos cinco anos pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), 45 (31%) ocorreram em cidades onde há mais registros do que terras.
O caso mais significativo é o do município Ladário (MS). A cidade tem 34 mil hectares, mas seus registros de terra chegam a 397 mil hectares (11 vezes a mais).
Procurados, assessores da prefeitura não responderam.

Seca nos EUA estimula aporte de fundos

Data: 27/08/2012
Assunto principal: SAFRAS
da fonte
A - A +

Formato A4: PDF WEB http://www.linearclipping.com.br/conab/detalhe_noticia.asp?cd_sistema=26&codnot=3941280

O valor da carteira de commodities agrícolas dos fundos que investem nas principais bolsas americanas cresceu 9% entre junho e julho, de US$ 89 bilhões para US$ 97 bilhões - o maior patamar desde fevereiro - de acordo com o Barclays Capital. Somando as commodities metálicas e energéticas, esse montante sobe para US$ 406 bilhões, alta de 4,1% em relação aos US$ 390 bilhões apurados ao fim de junho.
O salto agrícola é basicamente um reflexo da seca que dizimou a produção americana de soja e milho e impulsionou os preços internacionais. Só a valorização dessas matérias-primas engordou a carteira dos fundos em US$ 7,6 bilhões no mês. O movimento atraiu os olhares de investidores, ávidos por ganhos em um momento de vacas magras no mercado financeiro. No período, eles aplicaram US$ 400 milhões líquidos em commodities agrícolas, o maior aporte desde janeiro.
O montante corresponde a mais de 85% do que os fundos aplicaram em todas as commodities em julho (cerca de US$ 470 milhões), embora a carteira agrícola seja apenas a terceira em tamanho - atrás de metais preciosos, com US$ 181 bilhões, e de energia, com US$ 110 bilhões.
Mesmo assim, o saldo no ano continua negativo e a sinalizar que os resultados de 2012 podem ser um dos mais fracos desde o início da década passada. No ano, o valor dos saques da carteira agrícola superou o das novas aplicações em US$ 1,9 bilhão. Esse saldo ficou positivo em US$ 800 milhões, em 2011, US$ 15,5 bilhões, em 2010, e US$ 16,4 bilhões, em 2009.
Conforme os analistas do Barclays, o cenário macroeconômico continua a limitar o apetite dos investidores pelas commodities como um todo, ainda que as perspectivas sejam favoráveis para alguns desses produtos - caso particular dos GRÃOS. "Os investidores continuam a tratar com cautela todos os ativos sensíveis ao crescimento [econômico]", afirmam, em relatório.
A deterioração das condições na Europa e o desempenho medíocre dos Estados Unidos compõem um quadro ainda nebuloso. A situação é agravada pela sensibilidade das commodities ao crescimento da China, "onde os receios de um pouso forçado e uma contração potencialmente forte nas importações de matérias-primas continuam no centro das atenções dos investidores".
Por essa razão, o fluxo para os fundos de commodities (energia, metais e produtos agrícolas) está negativo em US$ 6 bilhões no ano, ante um resultado positivo de US$ 7,8 bilhões no mesmo período do ano passado e de quase US$ 17 bilhões em igual comparação para 2010.
"Acreditamos que não haverá uma melhora significativa até que as preocupações com a dívida soberana [europeia], a China e a economia global comece a perder força de maneira mais abrangente", sustenta o Barclays. Em contrapartida, uma nova rodada de estímulos monetários nos Estados Unidos pode dar novo impulso às commodities, pondera.
O Barclays vê uma tendência de leve queda para os preços dos GRÃOS até o fim do ano. No quarto trimestre, prevê, os contratos de soja e milho negociados na Bolsa de Chicago devem valer, respectivamente, 4% e 9% menos do que a média apurada em agosto. O mesmo vale para o trigo, com expectativa de retração de 4%.
Os analistas do banco ressalvam, no entanto, que os riscos de alta ainda são maiores do que os de queda nesse mercado. Novos cortes de produtividade nos EUA, em função da estiagem, e a persistência de condições desfavoráveis para o desenvolvimento das lavouras na região do Mar Negro podem colocar mais pressão sob os preços de soja, milho e trigo. O Barclays Capital sustenta que outras commodities agrícolas devem se valorizar até o fim do ano. São os casos do café e do cacau, com tendência de alta de 2% e 3%, respectivamente, e do algodão, que pode ficar até 9% mais caro até o fim do ano.